SIMBOLOGIA E A IGREJA


Toda denominação ou instituição religiosa tem seus símbolos, suas marcas e até seus dingles, para destacar e distinguir a instituição de outras do mesmo segmento e fixar sua imagem na mente de seu público-alvo. As igrejas fazem isto com grande excelência e criatividade.

Poucas linhas e formas transmitem toda uma identidade em segundos. São utilizados símbolos como a cruz e a estrela de Davi, sejam elas simples ou estilizadas; animais de menção bíblica como pombas e águias, leão, cordeiro e peixe; elementos como fogo, terra e água; e por aí vai.

Apesar da fascinante criatividade das igrejas evangélicas, existiria um símbolo bíblico separado exclusivamente para representar uma congregação dos seguidores de Yeshua?

A resposta é sim. Para tanto precisamos lançar mão do livro escrito para as kehilot (igrejas) que detém os símbolos referentes a nossa fé: O APOCALIPSE DE JOÃO.

Dentro desta literatura que tem como peculiaridade o estilo de redação e interpretação “Derash e Sod” (alegórico e simbológico), podem ser vistos um gama de imagens com representações do caráter espiritual de personagens da história bíblica. Entre estes símbolos encontra-se um exclusivo para as igrejas.

João O Visionário testemunha que:

Este é o mistério das sete estrelas que você viu em minha mão direita e dos sete candelabros: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros são as sete igrejas". (Apocalipse 1.20)

São dois símbolos um destinados aos líderes das congregações, “sete estrelas” e outros destinado para as próprias igrejas, “os sete candelabros”.

Estes são símbolos propostos pela revelação de Yeshua para João com a finalidade de representar simbolicamente líderes congregacionais e igrejas.

A MENORAH

Este é o nome do candelabro que tinha por objetivo iluminar o Tabernáculo assim como o Templo de Jerusalém. Mas o texto diz para ela
iluminar defronte (Êxodo 25.37) o que pode significar que as lâmpadas dela destinam-se também a iluminar a própria Menorah.

Yeshua O Messias nos dá uma orientação similar quando diz:“Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus". (Mateus 5.16)

Um papel de iluminar pessoas e refletir uma luz sobre nossas próprias obras. No entanto sua simbologia é riquíssima e não para por aí, a Menorah é considerada pela tradição como uma
representação da árvore da vida. (Behaalotehá 148); podemos perceber também que seus 6 braços são ligados a 1 haste central. De igual forma O Messias o único (1) filho do Eterno liga-se em nós, que somos imperfeitos e simbolizados pelos 6 braços da Menorah que juntos somam 1+6 = 7. Este é o número perfeito do Eterno. Esta aliança perfeita é fascinante até mesmo nos mínimos detalhes deste símbolo.

Em Êxodo 25.26 Moisés nos mostra como a Menorah deveria ser confeccionada:

Os braços com seus botões formarão uma só peça com o candelabro, tudo feito de ouro puro e batido.”

O critério do versículo 36 determina que a união dos braços e da haste são uma só peça, sem colagens ou soldas que possam enfraquecer o símbolo da aliança entre O Senhor e seusfilhos, uma mesma fundição. A ideia de converter-se ao Messias seria similar ao termo hebraico “Devekut”, muito utilizado na versão bíblica de André Chouraquii. Devekut seria um tipo de fundição de dois elementos que se tornam apenas um. Converter-se seria ligar-se ao Messias até que Ele se torne a essência do que somos e a base de nossas vidas.


UM RISCO A PLURALIDADE DA FÉ?

As pessoas que se deparam com este artigo podem fazer um significativo questionamento: “Não seria este um risco para a pluralidade da nossa fé?”

Este questionamento é justo pois não podemos ignorar que desde o primeiro século a igreja é plural no recebimento das orientações espirituais diante de cada demanda do espaço geográfico e social em que a igreja foi inserida. Não existe um padrão para boa parte dos aspectos relacionados ao funcionamento das primeiras comunidades. Até mesmo as comunidades organizadas por Paulo não eram iguais em seu proceder, nem em seus problemas.

Alguns fundamentalistas acreditam que todas as igrejas devem ser com as Batistas, ou como o regime adotado pela Assembleia de D'us, ou como os Congregacionais, Metodistas, Presbiterianos, Adventistas numa longa narrativa de rótulos denominacionais que tem orientações espirituais diferenciadas. Cada um militando por sua bandeira denominacional. Nesta briga alguns endemonizam a igreja que pensa de maneira oposta, ou que usa de artifícios por ele reprovado; outros radicais chegam a usar meios de comunicação para dizer o que a outra igreja e seu líder fazem de errado.

Imagine como o leitor fundamentalista deve reagir a este artigo: “Quer dizer que agora todas as igrejas devem usar o mesmo símbolo? Isto é contra a declaração de fé de minha denominação!”

Mas o liberal também reagiria de forma similar, talvez ele afirmasse: “E o meu direito de ser diferente? A multiforme graça de D'us em dá este direito!”

Mas a verdade é que fazer uso de uma simbologia bíblica no lugar de rótulos denominacionais produz dois grandes benefícios para a Igreja:

  1. Ela corre menos riscos em apresentar um fogo estranho em seu culto. Caracterizando a igreja com a roupagem proposta pela própria Bíblia e não uma criação humana. O Noivo Yeshua espera que a Noiva esteja vestida de maneira apropriada para suas núpcias.

  1. As igrejas vivem uma mesma simbologia mas isto não remove suas virtudes nem os defeitos de cada uma. João registra o testemunho de sete igrejas com o mesmo símbolo: A Menorah. Mas suas qualidades e defeitos as fazem distintas umas das outras.


A CRUZ NÃO SERÁ ESQUECIDA?

Recentemente li um artigo em que seu autor ressaltava o comportamento apóstata de algumas igrejas que estavam substituindo a Cruz pela Menorah.

Obedecer a Bíblia não te afasta do Messias, diferente disto o faz compreender com mais profundidade. A Menorah não é um substituto da cruz. A função da cruz e sua simbologia não se aproxima da função da Menorah. A cruz é lugar de maldição, morte e remissão de pecados. A Menorah é um símbolo de ligação entre O Messias ressurreto que venceu a cruz e nós aqueles que testemunham este feito glorioso: SUA KEHILÁ (trad. congregação, ou igreja)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário